quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Desmontando as calúnias e denunciando o anticomunismo do blogueiro, JM Álvarez

Antes da sequência sobre os ataques baixos e as contínuas papagaiadas do blogueiro JM Álvarez, a Rede de Blogs Comunistas denuncia:

“A injuria na política encobre muitas vezes a completa carência das ideias, a impotência, a fraqueza, fraqueza repugnante dos difamadores” Lenin



Em uma recente polêmica, o conhecido e provocador e pró imperialista russo JM Álvarez acusou (?) um de nossos camaradas com o tremendo delito de “trabalhar em uma embaixada”, de onde deduz (?) que sua atividade política estava a serviço do Estado. Em um magnifico gesto de solidariedade, a Rede de Blogs Comunistas (RBC) replicou de imediato para Álvarez, desmascarando ante todos os leitores da Rede. Contudo, a questão de ameça pela internet está mostrando claramente o seguinte ponto de vista: O golpe da RBC reduziu para um eloquente silêncio para Álvarez, depois de ter sido relevada sua índole divisionista e mentirosa, digna dos mais imorais e canalhas fascistas.

Como sempre há de se investigar um fenômeno social, a pergunta cui prodest nos permite encontrar o sujeito corretamente no marco da luta de classes. Assim pois, perguntamos a quem beneficia denunciar alguém aos quatro ventos da internet.

1- Se quem acusa não conhece em absoluto o acusado, como é o caso, essa denuncia constitui, simplesmente, uma calúnia, que converte ao acusador em um puro e simples difamador.

O difamador Álvarez inventou um argumento que esperava brotar em solo fértil e ali se transformaria da mentira em uma verdade, semeando a dúvida sobre a honra revolucionária de um camarada. A prática da difamação é tão velha como o mundo: Shakespeare fala em alguma de suas obras imortais do “o corte da calúnia, mais afiado que uma espada”. Existem também abundantes casos históricos de emprego da calúnia como meio de controle social, por exemplo, as chamadas “mil bocas de bronze” de Veneza ou os mercenários atenienses. O uso político da difamação foi levado ao paradoxo com os métodos de propaganda goebbelsianos, tão comum na atualidade cujo seguidor fiel, como várias vezes foram revelados em muitas ocasiões, é o tipo anticomunista que nos ocupa.

A difamação, no sujeito que tratamos, estava a serviço do descrédito de um comunista conhecido e respeitado, mas, naturalmente e sobre tudo, de suas ideais. O argumentum ad hominem que usou Álvarez - “trabalha em uma embaixada” - pretendia desprestigiar as fortes posições marxistas de um membro da RBC e, no embalo, fazer passar por marxista a defesa do imperialismo russo. Esse era seu propósito, no qual revela que, além de difamador, Álvarez é um impostor dialético que para demonstrar que Putin é um anti-imperialista emprega como peregrino argumento que “Forneo trabalha em uma embaixada”.

Nem tem que dizer que é essencialmente impossível demonstrar que o grande imperialismo russo seja anti-imperialismo, nem se quer afirmando que um comunista trabalhe em uma embaixada, por isso o argumento de Ávarez é uma mera falácia.

Vemos, pois, como esse sujeito de difamação está a serviço da confusão ideológica e do divisionismo.

O “comunista fanfarrão”


2 - Se o acusador conhecer de algo do acusado ou algo do acusado e publica, o acusador vira um delator, no mais vulgar da palavra, cagueta.

Pode ser que o acusado efetivamente “trabalhe em uma embaixada”, ou seja, na administração do estado burguês. Sobre se ele é motivo para denunciar publicamente, falaremos mais adiante.

Se não é assim, como é o caso, a denuncia poderá cair em mãos dos serviços de segurança do Estado burguês, inclusive dadas denuncias que podem implicar um grave risco para um comunista. Não é a primeira vez que algo assim acontece contra camaradas honestos: já ocorreu em seu dia quando um conhecido meio “alternativo” publicou dados pessoais (número do celular e endereço do trabalho) do camarada Gramsciez; existem mais casos.

Ante comportamentos como esses, um não pode contudo lembrar de tantos e tantos camaradas mortos em mãos de reacionários de toda laia por não deletar o companheiro. Aos impostores, em troca, de bom grado, o mundo próprio, não tremem o pulso na hora de fornecer dados ao Estado burguês e aos seus instrumentos repressivos, assim, alegremente, ou, não há que deixar de lado a possibilidade evidente, em troca de algum outro benefício pessoal.

Vemos, pois, como esse sujeito de delação está a serviço da repressão da classe burguesa e atenta, em última instância, contra a confiança entre camaradas, essencial nas tarefas de organização.

3 - E se o acusado “trabalha em uma embaixada”, ou seja, em um órgão do aparato estatal?

Marquemos, em primeiro lugar, que para que a delação e a calúnia de Álvarez puderiam produzir algum efeito eram necessárias umas doses consideráveis de demagogia, que, a vista dos objetivos reais perseguidos (confusão ideológica, divisionismo, colaboração com os órgãos repressivos do Estado burguês), muito bem cabe classificar de demagogia negra.

A denuncia de Álvarez não teria o menor efeito se fosse afirmado de que o camarada Forneo “trabalha na embaixada limpando o chão”. Álvarez, neste caso, ocultava interessadamente que na administração de todo Estado burguês há quem mandam e quem obedecem, quem cobram muito e quem cobram pouco, ou seja, que ali também existem as condições materiais na qual se desenvolve a luta de classes. Em definitivo, o que vem a dizer Álvarez é que todos os funcionários trabalham para o estado burguês e que não há funcionários comunistas, desprezando e insultando com ele a milhares de camaradas.

Em sua maneira de apresentar o feito está negada a realidade da luta de classes, sua possibilidade entre quem trabalham no aparato estatal, quem considera um bloque monolítico de fiéis e convencidos servidores do Estado burguês. A denuncia de Álvarez pretendia, sem dúvida, eliminar de várias penas demagógicas aquela tese leninista de que “uma fortaleza também pode ser tomada desde seu interior”.

Vemos, pois, que o último objetivo do delator ao negar a possibilidade da luta de classes no seio do aparato estatal é magnificar o poder do Estado burguês e, de sobra, propagar o derrotismo e a submissão.

Sobre este último ponto, mãe de todas as demagogias, temos que voltar em outra ocasião, plantando a incandescente questão de se Friedrich Engels, proprietário capitalista, foi ou não um infiltrado de primeira hora no comunismo moderno.

Em todo caso, e em vista de que JM Álvarez voltou a dar seus passos e parece que foi assaltado por um temporal de pesadelos ao se sentir acuado quando é afirmado, como fazem a maioria dos partidos comunistas do mundo, que Putin é um inimigo da classe trabalhadora, um membro da classe capitalista, nossa classe inimiga, (o que desmascara de novo ao mentiroso blogueiro como um anticomunista servidor dos interesses da burguesia), a Rede de Blogs Comunistas considera necessário voltar a denunciar esse membro da quinta coluna que não para de tentar enganar a classe trabalhadora consciente, pretendendo fazer engolir a indigesta ideia de que Putin, gestor dos interesses da oligarquia russa, possa ser considerado, por muitas voltas que se dê, como um anti-imperialista. E de sobra, continua com as calúnias tão falsas como falam aos camaradas que demonstram com argumentos seus vícios e misérias.



Ele fez em uma de suas últimas postagens de seu blog de quinta categoria, ainda que constatamos que já dito madame da burguesia, apesar de voltar a mentir e tentar desacreditar ao constatado trabalhado de mais de 8 anos do camarada Forneo, conhecida referência do comunismo internacional na Romênia, ficou consciente do ridículo de Álvarez e se recuou de sua posição habitual. Agora assume, como confessa com a boca pequena em um de seus comentários de seu último trabalho para seus amos, que Putin sim é “um capitalista” (ou seja, um explorador, um inimigo de nossa classe trabalhadora, e, por tanto, um tumor para se extirpar, tal como outros tantos tumores que adoecem de câncer capitalista os povos do mundo); claro, o que adicionamos entre parênteses ele não disse. Além do mais, afirma que Putin (suponhamos que se refere a Federação Russa, ou talvez ache que, como em tempos dos Tsares, Rússia e o Tsar eram a mesma coisa) beneficia os movimentos anti-imperialistas ao existir dois polos que se enfrentam pela hegemonia. De filhote, vamos. E é que, e é o que tem de ser um ignorante pouco instruído e exemplo anti-ético daquele que dizia Lenin havia de fazer todo comunista que se preze, estudar, estudar e estudar, JM Álvarezz obviamente, por incapacidade e desinteresse, que o capitalismo em sua fase superior imperialista leva inevitavelmente para toda potência capitalista ao enfrentamento com as outras pelo controle dos recursos e a sobrevivência de sua oligarquia, cada vez menos nacional e mais global (os capitalistas, nem se quer Putin, carecem de bandeiras, salvo ao vil metal, por muito no qual se envolvem entre eles).

Se não fosse evidente que seu trabalho sujo contra a classe trabalhadora é consciente, dirigida até o fim com o objetivo de caluniar e insultar gratuitamente para criar divisão e desorganização, bastaria lembrar ao mercenário que o movimento comunista internacional (MCI) tem um grande consenso a respeito de que a Federação Russa é capitalista e imperialista, de nenhum modo anti-imperialista como alguns revisionistas afirmam. Exemplos desses existem vários e em todas as escolas de interpretação e aplicação do marxismo, apontamos uns poucos na sequência. Dentro da Conferência Internacional dos Partidos e Organizações Marxistas-Leninistas (CIPOML), a Organização para a Construção de um Partido Comunista Operário da Alemanha escreveu o artigo: “Rússia anti-imperialista, Anjo da Paz ou grande potência capitalista/imperialista?”, que publicou na revista Unidade e Luta n°29 (pág.7-15), o Partido Comunista do Peru (marxista-leninista-maoista) em sua revista Sol Vermelho n°43 (pág.17) fala das contradições inter-imperialistas, ou o comunicado conjunto de todos os partidos da International Coordination of Revolutionary Parties and Organizations (ICOR): A ICOR e a luta a nível mundial pela democracia e a liberdade!

Em reusmo, JM Álvarez nega que a Rússia seja imperialista e, de sobra, a possibilidade da luta inter-imperialista, feito insólito no marxismo-leninismo. Mas existem muitos que se sacrificam cavando trincheiras, enquanto outros boicotam o trabalho deixando terra sobre seu esforço. É óbvio de qual lado está o mercenário Álvarez.

Isso demonstra que o degenerado impostor não só é incapaz de analisar os dados científicos sobre a realidade política e econômica, a não ser que está identificado totalmente com a causa do grande capitalismo russo e da oligarquia que a dirige; a mesma, por certo, que acabou em um dia com a União Soviética (não se pode esquecer que Putin não é mais que o sucessor, escolhido a dedo por ele mesmo, de Boris Yeltsin); que está, por tanto, a serviço da exploração da classe trabalhadora russa, nossos irmãos russos, e, claro, da classe trabalhadora mundial. E para ele, o cagueta utiliza e manipula um texto antigo do camarada Arenas, tirado de uma entrevista informal, na qual acrescenta as declarações de outro camarada preso (precisamente nas masmorras da burguesia graças aos impostores como o infeliz que nos ocupa).

Sim, é bom que as potências se enfrentem entre elas, afinal isso os enfraquecem. Mas isso não é motivo para que apoiemos um a outro, pois todo capitalista é defensor da exploração do homem pelo homem e os comunistas têm como principal objetivo acabar com ela e com as quem espalham.

Finalmente, e como confirmação da mentira goebblesiana do oportunista Álvarez, confirmamos que JL Forneo não trabalha, nem trabalhou (não sabemos se no futuro ele irá trabalhar) em nenhuma embaixada, e o que repete constantemente o filho de Putin (portanto, poderíamos dizer, herdeiro ideológico de Yeltsin, seu neto blogueiro) Álvarez, não é mais que uma falácia com um claro objetivo de classe, anticomunista.

De qualquer forma, é evidente que como comunistas não podemos considerar que, inclusive no caso de que assim fosse, de que se trata de um trabalhador público, isso não desmereceria de forma alguma ao camarada. Nós não fazemos, como os servidores dos inimigos de classe dos trabalhadores, grupos entre os explorados, pretendendo a divisão e o enfrentamento entre irmãos de classe. Para nós, como para qualquer comunista, também os funcionários são trabalhadores e, portanto, se são conscientes de sua condição de formar parte da classe trabalhadora, são consideradas por nós como camaradas, e se não são, é nossa tarefa fazer o que seja.



Tudo isso que vimos é só uma mostra dos interesses anticomunistas que o tal Álvarez faz, agindo como todos os fascistas, por mais que se disfarcem de comunistas, não tem nenhum escrúpulo na hora de fazer o trabalho para os seus amos, a burguesia, o capital, os exploradores.

Dito isso, e colocados os pingos nos is, por nossa parte seguimos deixando de lado o papagaio da burguesia, o goebblesiano JM Álvarez, como corresponde a um inimigo de nossa classe trabalhadora, e escavamos nossa, por outra parte inexistente, relação com ele (salvo seus pesadelos de perturbado), desejando-lhe que permaneça aproveitando muito tempo de seus próprios vômitos, e que, se é possível, esqueça de nós e se dedique a servir melhor a seus amos em vez de inventar absurdos, injúrias, calúnias contra camaradas, que no final, continue com as invenções, que na comanda vão terminar retirando a propina.

Por fim, o que é realmente importante não é a ignorância ideológica mas sim o debate é construtivo e argumentado. Também Lenin, Stalin e Mao se enganaram, pois eram humanos. Contudo, seus erros jamais foram mal interpretados, dirigidos conscientemente contra a classe trabalhadora. O verdadeiramente incontestado e denunciável é quando os erros não necessitam de argumentos, quando dá igual o conteúdo porque o importante é dividir, desorganizar e criminalizar ao movimento operário em geral ou aos camaradas em particular.

Na realidade, as condenações contra Kamenev, Zinoviev ou Bukharin, nos julgamentos de Moscou, não foram produtos de meras ignorâncias ideológicas ou argumentos equivocados, como cabe denunciar a propaganda do capital, mas sim que a gravidade principal residia na intenção de destruir, boicotar, trapacear o estado socialista ou seus membros. No caso citado por nós, não denunciamos JM Álvarez por considerar a Rússia anti-imperialista, ainda que é óbvio que não podemos estar de acordo com esse chute contra a ideologia marxista-leninista e, sobre tudo, sobre a classe trabalhadora russa atual, submetida as leis de exploração capitalista enquanto os apoiadores de Putin olham para o outro lado; nós fazemos porque, precisamente, não tem necessidade alguma, nem ganas, de argumentar, pois o que pretende, é evitar o debate, renuir o esforço da discussão construtiva, pois seu único e principal fim é destruir, fazer danos, injuriar.

E todo ele, e isso agrava infinitamente a situação, disfarçado de comunista, agitando indignamente a bandeira vermelha, ainda que somente seja, como definiu Lenin em Tarefas da Juventude Comunista, como um “comunista fanfarrão”, ou seja, aquele que não faz nem um mínimo esforço para entender, compreender todo o conhecimento atual (tarefa básica de todo comunista, como explica Lenin) a não ser que simplesmente utiliza a maquiagem e a pose de comunista para, no caso específico do blogueiro mentiroso, seus fins individualistas, mercenários, com o objetivo essencial de prejudicar o movimento, ao coletivo, aos quadros, ao trabalho e esforço altruísta e solidário de outros camaradas; em definitivo, a classe trabalhadora e aos princípios do socialismo.

Rede de Blogs Comunistas

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Moscou 1980, os únicos Jogos Olímpicos realizados na União Soviética

Já que estamos em clima de Olimpíadas, decidi traduzir e postar nesse blog esse brilhantíssimo artigo de um grande blog espanhol, sobre os Jogos Olímpicos na URSS, onde pela primeira vez um país socialista realizava o maior evento esportivo do mundo.

O ursinho Misha, era o primeiro mascote nas edições dos Jogos Olímpicos


Se o capitalismo internacional não poderia perdoar que a URSS disputaria a hegemonia mundial em todos os níveis, teria que passar uma má impressão naquele 23 de outubro de 1974. Nesse mesmo dia, o Comitê Olímpico Internacional teria que decidir em Viena sobre a sede dos Jogos Olímpicos de 1980. Tinha 2 cidades candidatas: Los Angeles e Moscou. Duas cidades, duas formas de organização social, o bastião capitalista contra a capital do primeiro Estado socialista do mundo. O resultado da votação foram 39 votos a favor de Moscou e 20 a favor de Los Angeles.

Os EUA não engoliram a derrota e lideraram um boicote internacional contra a celebração das olimpíadas em território soviético. Em março de 1980, o presidente estadunidense Jimmy Carter ameaçava com retirar o passaporte aos atletas que viajassem para competir em Moscou. Os Estados mais capachos aos Estados Unidos proibiram seus atletas de competir os jogos olímpicos na capital soviética. Nenhum atleta dos EUA, Alemanha Federal, Japão, China e Canadá foram para Moscou.

Outros países capitalistas como Espanha, Grã Bretanha ou Itália deram liberdade ao seus atletas, ainda que recomendaram a eles não participarem e proibindo eles de utilizarem seus símbolos nacionais. Assim, alguns países tiveram que competir sob as cores do COI, no lugar de suas bandeiras nacionais.


Mapa do metrô de Moscou em 1980


Como em qualquer ocasião olímpica, a cidade anfitriã teve que se adequar. Construíram grandes complexos esportivos e infraestruturas. Destacando o Estádio Olímpico “Lenin”, O terminal 2 do aeroporto, o grande hotel “Cosmos” (com capacidade para 3000 hóspedes), moradias, hospitais... Pela primeira vez na história, um país socialista organizava os Jogos Olímpicos de verão (considerando que no Hemisfério Norte é assim conhecido as olimpíadas).

Apesar de tudo isso, o imperialismo não conseguiu seus objetivos. Os jogos aconteceram tranquilamente, sendo protagonista o esporte e a amizade entre os povos. A celebração das olimpíadas permitiu romper com todos os falsos mitos criados pelo ocidente contra a URSS. A propaganda anti-soviética foi refutada pelo bom nível de vida e a felicidade dos cidadãos soviéticos. Ainda hoje, essa época é considerada pelos russos como a mais feliz de todas.



Participaram 5.217 atletas em 204 especialidades. A quantidade de recordes olímpicos foram superiores (alcançados 74 recordes olímpicos) em comparação com as edições anteriores.

A cerimônia de abertura foi realizada no dia 19 de Julho de 1980 no Estádio Lenin de Moscou. A tocha olímpica chegava em mãos do atleta Viktor Saneyev (ouro olímpico no salto triplo nos jogos olímpicos do México em 1968, Munique 1972 e Montreal 1976) que entregou para Serguei Belov (jogador de basquete que na edição de 1972 fez a cesta nos últimos segundos na final de Munique, dando o ouro para a URSS contra os EUA). Seguei Belov foi o encarregado de acender a grande tocha olímpica. O ginasta Nikolai Andrianov, fazia o juramento olímpico (Nikolai Andrianov, ouro em Munique 1972, em Montreal 1976 conseguiu 4 ouros, 2 pratas e 1 bronze). Além disso, estabeleceram conexão com o espaço e os cosmonautas Leonid Popov e Valeri Ryumin transmitiam seus ânimos para os atletas. Por último, Brezhnev declarava inaugurados os XXII Jogos Olímpicos, antes do desfile dos atletas de distintos países. Aqui algumas imagens da cerimônia de abertura:











                                       



segunda-feira, 23 de maio de 2016

Comunicado da RBC em solidariedade ao camarada José Luis Forneo





O meu querido camarada espanhol que conheço desde 2010, José Luis Forneo voltou ser alvo de um ataque infantil por um suposto “comunista” JM Álvarez que na verdade não passa de um fascista disfarçado.

Eu também e honradamente, faço parte da Rede de Blogs Comunistas (RBC), uma rede unificada de todos os camaradas que lutam, resistem e juntos trabalham em comum para mostrar a verdade a quem interessa, o povo!

Ante os ataques que José Luis Forneo (que comanda os blogs, Un Vallekano en Rumanía e Cuestionatelotodo) por parte de JM Álvarez (http://jmalvarezblog.blogspot.com.br/2016/05/imagen-para-embaucar-ilusos.html), a Rede de Blogs Comunistas (RBC) deseja fazer pública sua total solidariedade com nosso camarada, cuja honradez, atitude e entrega política dá contínuas mostras no trabalho de nosso coletivo.

As acusações do tipo pessoal (na realidade pura difamação) que vem por JM Álvarez ao camarada Forneo não concordam em modo algum com a realidade, ainda que se tem a virtude de servir para revelar o rosto provocador e literalmente um cagueta de quem lançou. E repetimos, com muito pouco êxito, pois os dados que publica Álvarez sobre a vida privada de nosso camarada de nada servirão aos órgãos repressivos do Estado burguês.

E até porque para ser um cagueta não basta com querer.

domingo, 15 de maio de 2016

Brasil depois do golpe? Uma nova Ucrânia e sem futuro

Lema do novo Brasil, muito similar a um certo país no passado...

Aconteceu no Brasil um golpe nos mesmos moldes que ocorreu na Ucrânia, onde o antigo Presidente Viktor Yanukovich foi deposto com a desculpa de “crimes de corrupção”, sendo que na verdade era apenas mais um interesse dos magnatas ocidentais em tentativa de desestabilizar mais um país no Leste Europeu visando provocar a Rússia, que todo mundo sabe é uma pedra no sapato dos interesses da Casa Branca em sua tentativa de dominar a Europa com auxílio da DESunião Europeia.

No Brasil ocorreu um novo Maidan, seguindo o mesmo rascunho que foi na Ucrânia em 2014, a diferença que no país até então no passado, viveu a sua melhor época com a União Soviética, houve uma grande resistência dos povos no Leste do país, resistência que está sendo levado a cabo até os dias de hoje, as Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk são um grande exemplo disso. A questão que na América Latina a influência nefasta da Casa Branca é maior, até por seus golpes no passado estarem se repetindo, foi assim no Paraguai há dois anos e em Honduras alguns anos antes, agora ocorreu no Brasil. 

Muitos falam que o golpe tem apoio do “povo”, assim como disseram que o Maidan na Ucrânia também, clara mentira. Isso é desculpa para manipular as massas, Brasil e Ucrânia são países com populações grandes, por tanto a maioria principalmente aqui elegeu como Presidente, Dilma Rousseff. Os golpistas sempre repetem o discurso de “contra” corrupção, sendo que no atual “governo” os ministros de Temer estão sendo caçados justamente por crimes de corrupção, tem até um ex-advogado da quadrilha PCC, que é umas mais fortes no Estado de São Paulo, mesmo Estado de São Paulo governado por um partido que viveu atacando Dilma, porém está desviando dinheiro da merenda das escolas e ninguém, os mesmos inclusive que protestaram contra a “corrupção”, não falam nada.

Os Governos de Cuba, El Salvador, Equador, Nicarágua, Uruguai e Venezuela já deixaram claro que não reconhecem os golpistas e essa lista só tende a aumentar, o Wikileaks já vazou documentos dizendo o envolvimento do novo “presidente” com a Casa Branca, na qual tem como foco o pré-sal e a Petrobras que não é de hoje que sabemos que são as riquezas do Brasil que os criminosos de Washington tanto estão de olho... 

O mais curioso disso tudo são como algumas pessoas conseguem ser ingênuas, as mesmas pessoas que defendem com unhas e dentes que o capitalismo é um sistema justo crendo que a corrupção nesse sistema onde reina o dinheiro será acabada, isso nunca vai acontecer. Por que nunca vai acontecer? porque simplesmente o homem no mundo capitalista já é corrupto por si próprio, o homem trapaceia e faz o mesmo que tais “poderosos”, ele fura a fila, ele passa pontos na carteira de habilitação, ou até compra! Em alguns dos casos, ele inventa atestado para faltar ao trabalho (olha só, o mesmo que tanto chama os trabalhadores de “vagabundos” acaba fazendo até pior do que ele si próprio pensa) entre outras coisas.... Mais curioso disso que esses inocentes acham que os países socialistas são “ditaduras”, porém ele hipócrita como todo aceita ser submisso ao imperialismo, ele é contra o BRICS mas apoia sem pensar, numa “amizade” com os Estados Unidos, esse tipo de gente que tanto se diz “patriota” acaba sendo pior do que uma prostituta.

A luta do povo apenas começou, um golpe desses não pode acontecer e nem a classe trabalhadora ficar de braços cruzados, claro a Dilma foi eleita pelo povo mas também foi fraca em relação ao que poderia acontecer com ela, porque no sistema atual a justiça praticamente não existe... Ela só existe aos interesses dos poderosos, principalmente no Brasil. Porém agora não adianta lamentar, Dilma caiu e é dever do povo lutar, principalmente pelo resto de democracia que ainda existe no Ocidente.

domingo, 19 de julho de 2015

Pescadores Norte-Coreanos foram sequestrados pela Coreia do Sul

Familiares protestam em Panmunjon contra o regime fascista sul-coreano


No dia 22 de Junho, 5 pescadores da Coreia Popular zarparam com seu barco para pescar no mar. Durante a pesca, o barco enfrentou condições meteorológicas severas, o motor falhou ficando a deriva no mar. As correntes levaram o barco para águas sul-coreanas, onde foram capturados por um navio que os levou pra terra firme na Coreia do Sul. Na terça-feira (14), o governo fantoche da Coreia do Sul liberou para voltarem a sua pátria 2 dos 5 pescadores por Panmunjom, retento os outros 3 alegando que eles pediram “asilo político”, sem mostrar quaisquer provas que eles o realmente pediram.

Os familiares dos pescadores foram tentar obter notícias sobre seus parentes retidos com os representantes do governo fantoche da Coreia do Sul, mas além de não darem mais detalhes, disseram que não permitiram que os parentes os vissem, os que deixou revoltados. Os familiares não creem que seus parentes traíram a Coreia Socialista e exigem vê-los pessoalmente. (vídeo abaixo)

No ano passado outro barco de pescadores também ficou a deriva, foi levado pelas correntes marítimas até águas sul-coreanas, foram capturados por um barco da Coreia do Sul, e lá foram obrigados a pedir “asilo político”.

O governo fantoche da Coreia do Sul nessa ação criminosa para difamar e caluniar a Coreia do Norte, atenta contra os direitos humanos que eles fingem “advogar” ao separar os pescadores de suas famílias não dando direito a sequer se encontrar, mostrando a crueldade e frieza do covarde regime fantoche sul-coreano em seu insano intento anti-comunista e pró-imperialista.

Será que se fossem pescadores do regime de Seul, o silêncio covarde da imprensa ocidental e mentirosa seria o mesmo? aos poucos vemos mais ainda, quem são os democráticos e os ditatoriais.








sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Comunicado da Rede de Blogs Comunistas (RBC) pelo motivo do 38° aniversário da morte de Mao Zedong



“O marxismo não é um dogma morto, não é uma doutrina acabada, terminada, imutável, senão um guia vivo para a ação, que não poderia pelo menos de refletir em si a mudança assombrosamente brusca das condições da vida social.” (Lenin, sobre algumas particularidades do desenvolvimento histórico do Marxismo).

Precisamente porque não é uma ciência viva e não um dogma morto, porque serve na prática e se nutre a ela, os marxistas se encontram no continuo desenvolvimento e enriquecem a sua teoria no transcurso da luta de classes, a luta pela produção e o desenvolvimento científico.

Nos últimos 150 anos, os dirigentes mais brilhantes do proletariado internacional (Marx, Engels, Lenin, Stalin e Mao Zedong) começaram e enriqueceram a teoria marxista no crisol da luta de classes e da luta ideológica contra a ideologia burguesa e suas diversas manifestações em forma de revisionismo e de outras tendências de classes diferentes.

A Rede de Blogs Comunistas quer homenagear com esta dedicação o último dos grandes contribuidores no desenvolvimento do marxismo com o suceder das mudanças históricas, sociais e políticas, quando se completam 38 anos de sua morte: Mao Zedong.

Mao nos conduziu o último impulso no desenvolvimento da ciência proletária, aplicando a contribuição da história do marxismo-leninismo anteriores a prática concreta da Revolução chinesa e da Revolução Proletária Mundial, no transcurso da resulta luta contra o revisionismo moderno liderado por Kruschov e companhia.

A RBC quer homenagear o grande Mao porque consideramos que o Movimento Comunista Internacional lhe deve importantes contribuições (a Nova Democracia, a Guerra Popular, a Revolução Cultural...). Nesse sentido, queremos destacar, em um primeiro momento, que pôs o dedo na ferida ao fazer a pergunta que todos devemos fazer aos comunistas, ao analisar porque depois da morte de Stalin os canalhas revisionistas e pró-capitalistas se fizeram com o poder em pouco tempo e sem apenas resistência, ou seja, como podemos evitar que inclusive em um estado socialista desenvolvido poderia derrubar tudo que foi conquistado em décadas em poucos anos?

Mao tenta responder a pergunta de como lutar contra os inimigos de classe dentro do socialismo, no qual tentou responder através de distintas práticas revolucionárias, como a Revolução Cultural, e que ainda hoje fica sem resposta (pois, lamentavelmente, como sucedeu com Stalin, depois da morte de Mao, os revisionistas e pró-capitalistas ficaram quase imediatamente com o poder e iniciaram, como na URSS, o retorno ao capitalismo).



Precisamente a resposta para essa pergunta que fizeram com Mao, como também parece se fizeram com Stalin, Molotov e Yakovlev, plantaram a luta contra a elitização dos dirigentes do partido desde uma data tão cedo como sua publicação no 17° Congresso do Partido em Janeiro de 1934, como demonstram nos estudos de Grover Furr, Stalin e a luta pela democracia, é a chave para evitar cair nos erros que no final novamente se repetiram nas experiências socialistas. Não obstante, os próprios Stalin, Mao ou inclusive, Hoxha, construíram um sistema de luta contra o capitalismo que, contudo, é aí onde temos que buscar a chave para resolver que não se repita no futuro, não resistiria a sua morte.

Mao se converteu, pois, no continuador do marxismo nas condições concretas de um país colonizado, a China, respondendo e teorizando sobre as condições da construção do socialismo e do comunismo no qual logo se chamaria, Terceiro Mundo. Por isso abriria a terceira etapa do Marxismo-Leninismo, seguindo a Lenin e Stalin, dos quais viveriam e aprenderiam, mas aos que aplicariam novas contribuições muito importantes segundo a realidade prática de seu país, abrindo a porta aos povos pouco industrializados e colonizados para a construção do comunismo.

Como dito, as contribuições de Mao na teoria Marxista-Leninista e ao Movimento Comunista Internacional são inumeráveis e de uma importância sem igual, convertendo Mao no principal representante do quarto escalão do marxismo-leninismo até o triunfo final: o maoismo, suma e profunda das contribuições de Engels e Marx, Lenin e Stalin, e a adaptação da teoria comunista na prática de um mundo colonizado pelas potências imperialistas mas com os mesmos desejos de emancipação e de acabar com todo tipo de exploração do homem pelo homem.



Podemos dizer que nos dias de hoje, cumpridos 38 anos da morte do presidente Mao, são os movimentos inspirados em suas obras no quais constituem a vanguarda revolucionária, pois aprenderam dos erros que ele começava e de suas propostas para as soluções, seguindo seu exemplo constante de aplicar a teoria marxista e a prática revolucionária e de fazer a sua vez desenvolver a partir desta a teoria.

Em definitivo, RBC quer recordar a Mao Zedong, no seu aniversário de sua morte, como um dos grande teóricos e líderes revolucionários da história, junto a Marx e Engels, Lenin e Stalin, e homenagear sua memória, suas contribuições e suas grandes conquistas na pós luta pela emancipação da classe trabalhadora chinesa e mundial




GLÓRIA A MAO ZEDONG, GUIA DA CLASSE TRABALHADORA E CAMPONESA!

VIVA O MARXISMO-LENINISMO E AS CONTRIBUIÇÕES E O EXEMPLO DE SEUS GRANDES DIRIGENTES E MAESTROS!

O FUTURO SERÁ REVOLUCIONÁRIO, O FUTURO SERÁ COMUNISTA!

sexta-feira, 25 de julho de 2014

O assassinato dos três jovens israelenses foi um crime civil motivado por razões econômicas

Os jovens Eyal Yifrah, 19, Gilad Shaar, 16, e Naftali Fraenkel, também de 16 anos
mortos por um crime civil, o que bastou para justificar o genocídio
do sionismo contra a população de Gaza


Detalhes quentes sobre a morte dos 3 jovens israelenses que desencadeou o criminal ataque sionista contra os palestinos, o jornalista alemão Christian Sievers, revelou no programa “Auslands Journal”, do canal alemão ZDF, que o assassinato dos três jovens israelenses no último dia 12 de junho não foi cometido por autoria de nenhum cidadão palestino.

Segundo o jornalista alemão, foi um crime civil realizado por um cidadão de Israel por assuntos econômicos. Os garotos foram assassinados um dia depois do sequestro e depois de queimar o carro os corpos foram deixados perto da cidade de Hebrom.

Conforme a revelação apresentada por Sievers, a Agência de Investigação Interna israelense, Shim Bet, estava ciente de todos os detalhes pela chamada que fez um dos garotos durante o sequestro, mas foi obrigado por Netanyahu a esconder a informação para que o assassinato fosse usado como pretexto para iniciar um novo ataque contra Gaza.

O jornalista inclusive, acusou o governo israelense de conspiração e manipulação da população civil para a ofensiva dos crimes de guerra contra o povo palestino.

Abaixo vejam a denúncia da matéria de Sievers na ZDF, claramente uma revelação bombástica que irá expor mais ainda, o que é capaz de fazer o Estado criminoso e sionista de israHELL para justificar o seu genocídio na Faixa de Gaza

 



Fontes: http://www.elciudadano.cl/2014/07/24/109647/el-asesinato-de-los-tres-jovenes-israelies-fue-un-crimen-civil-por-motivos-economicos 

http://www.tercerainformacion.es/spip.php?article71588